segunda-feira, 5 de julho de 2010

Vacinas: mais proteção para os idosos




Os adultos e os idosos devem continuar recebendo doses de vacinas para garantir a proteção contra várias doenças.
- Vacinas essenciais -
* Dupla tipo adulto (difteria e tétano) -Protege o organismo contra a difteria e o tétano, que acometem com freqüência os idosos, devido maior freqüência de ferimentos domésticos e porque a maioria das pessoas que hoje têm mais de 60 anos não foi, na adolescência e na infância, alvo de campanhas de vacinação. É preciso tomar a vacina a cada dez anos. O adulto que nunca tomou a vacina ou não se lembra de seu antecedente vacinal deve receber três doses, com intervalo mínimo de 30 dias entre cada uma. Depois, é preciso tomar uma dose de reforço a cada dez anos. Se a pessoa se ferir e só tiver tomado uma dose ou não se lembrar de quantas tomou, precisará tomar as três doses, além do soro antitetânico.
* Influenza -Também é conhecida como a vacina contra a gripe. O vírus Influenza provoca a gripe que nos idosos pode evoluir com mais facilidade para uma pneumonia. É bom lembrar que a gripe é diferente do resfriado, causado por outros vírus e com sintomas mais fracos. A vacina requer uma dose a cada ano, administrada nas campanhas de vacinação do Ministério da Saúde.
* Influenza A (H1N1) -
Proteção contra doença respiratória aguda (gripe), causada especificamente pelo vírus A (H1N1).
* Contra a Pneumonia -Protege o organismo contra a pneumonia causada pela bactéria pneumococo. Em pessoas com mais de 60 anos, a doença é três vezes mais freqüente, além da mortalidade ser maior, razões pelas quais a vacina se torna importante nessa faixa etária. No sistema público de saúde, ela é destinada principalmente a idosos hospitalizados ou internados em casas geriátricas e asilos. A vacina tem uma única dose, com reforço após cinco anos.
Outras vacinas -
* Hepatite B -
A infecção pelo vírus da hepatite B nos idosos está relacionada a um risco maior de ter cirrose ou câncer de fígado no decorrer dos anos. A vacina contra a hepatite B tem indicação universal, sendo recomendadas três doses - duas com intervalo de um mês e a terceira cinco meses após a segunda dose.
* Febre amarela -Deve ser tomada por todas as pessoas que moram ou viajam para regiões de risco no País, entre as quais Mato Grosso, Pará, Goiás, Amazonas e a região oeste dos Estados de São Paulo e Minas Gerais. A vacinação deve ser realizada dez dias antes da data marcada para a viagem às regiões de risco. Quem já tomou a vacina, deve se imunizar, novamente, e esperar três dias para iniciar a viagem.

3 comentários:

  1. Olá Boa tarde.
    Meu nome é Rafael, sou pesquisador sobre o câncer e suas patologias.
    Há algum tempo eu tive um caso bem grave de câncer na minha família, onde foi muito complicado lidar com isso, pois um tio meu estava bastante desanimado a abatido e procurava muita força comigo, então tive sempre que estar e me mostrar bem perante ele, para nunca desanima-lo do tratamento, pois também sentia muita falta da bebida, o que lhe causou câncer de fígado.
    Um dia,na internet, procurando mais sobre câncer, foi onde encontrei o site institucional do Hospital de Câncer de Barretos, onde tirei muitas dúvidas que tinha e como ajudar a meu tio com seu caso, tendo muito apoio e juda com tudo que precisei.
    Quem quiser acessar e dar uma olhada:

    www.cliquecontraocancer.com.br

    Abraços a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente dica, Rafael. Muito obrigada por compartilhar. Vou acessar o site. Mariana Binda Anacleto Morais SBCampo/SP

      Excluir
  2. Dra Juliana, fiquei impressionada de saber sobre essa vacina de Pneumonia, tão pouco divulgada. Principalmente por ser fornecida em rede pública. Poderia evitar a morte de muitos idosos, principalmente no inverno. Abraços Mariana Binda Anacleto Morais Psicóloga Clínica São Bernardo do Campo/, SP; com grupo idosos Oficina Memória Viva.

    ResponderExcluir